terça-feira, 11 de dezembro de 2012

I wouldn’t wanna be anybody else

A grama do vizinho é sempre mais verde. Claro que é. A gente não foi saracotear por ela pra sentir todas as formigas e arainhas que moram ali, se engarrafando no meio das folhagens brilhantes e orvalhadas. A grama do vizinho é sempre mais verde porque ela sempre nos parece puramente verde. Cadê as folhas meio marrons e envelhecidas que deveriam estar ali? Estão todas no meio do nosso jardim, claro. Nunca no dos outros.

Isso é ser humano, né? É avaliar o outro. É pensar em como a gente queria ser o outro, como a vida de fulano ou beltrano é muito mais descomplicada e feliz do que a nossa, em como tem muito mais louros. Quando eu era criança, meu sonho era ser a Arianne, minha melhor amiga. Ela era morena, inteligente, organizadíssima. Aos 5 anos, estendia a toalha no banheiro, enquanto eu deixava jogada e molhada em cima da cama. Eu tinha certeza que a minha mãe queria ser mãe da Arianne. A vida da Arianne devia ser muito mais incrível, porque ela era organizada e estendia suas toalhas!

E assim a gente segue a vida. Mirando milhões de vidas que se entrelaçam com as nossas, e pensando em como tudo deve ser mais feliz e descomplicado ali, na cabeça dos outros. Queria ser a Laís, ela sabe cozinhar. Ou senão a Rafaela, que é alta e bonitona. Não. Preferia ser a Anna, pra ela, escrever é tão natural. Quem sabe ser a Tary, que tirou um 10 no TCC. Ou: OLHA SÓ A EMMA WATSON, CARA. ELA FEZ HARRY POTTER. Meu sonho era ser a Emma Watson.

Ai, porque será que justo a minha vida tinha que ser a mais banal, desimportante e trabalhosa de todas? É aquilo que disse a Mafalda: Tanta gente no mundo e justo eu fui escolhida para carregar o fardo de ser a minha pessoa.

E sabe o que eu penso hoje, quando eu estou feliz, leve, e contente com a minha vida, as minhas vitórias e tudo o que eu tenho dentro de mim? Penso que eu não daria a minha vida por nenhuma outra. Porque as outras são verdes! São verdes e orvalhadas, mas céus, são lotadas de formigas e arainhas! Se as minhas não são? E como são! Mas não trocarei as minhas folhas brilhantes que eu conheço e amo tanto pelas formigas dos outros, que me são desconhecidas. Não troco as minhas conquistas e felicidades pelo conjunto do outro, que vem, certamente, lotado de problemas, tanto quanto o meu conjunto. Se os problemas dos outros parecem menores? Isso é porque estão na cabeça deles, e não na minha. Problema por problema? Mesmo que me pareçam gigantes, fico com os meus, porque com eles eu ando aprendendo a lidar há 20 anos! Dos monstros desconhecidos estou aceitando abrir mão. Porque hoje eu confio em mim. Eu amo a minha vida, sustento as minhas escolhas, acredito no meu taco e coloco a cabeça no travesseiro pra dormir sem peso e com poesia.

(Tomara que dure até amanhã)

15 comentários:

  1. ARRASOU! Eu vivo dizendo que pra mim tudo é mais difícil. Vivo me comparando com os outros. Mas a verdade é essa. Eu não trocaria a minha vida por nenhuma outra. Se eu fosse outra pessoa, talvez não tivesse crescido tanto, aprendido tanto e dado tanto valor para tudo que importa de verdade.

    Te amo!

    ResponderExcluir
  2. Esse último parágrafo me deixa feliz por sermos amigas, porque é tipo uma conexão bem louca. Esse último parágrafo resume BEM tudo o que eu pensei no dia de hoje, estando muito mais forte e satisfeita por estar assim. Jamais trocaria minha vida por qualquer outra, especialmente hoje.

    Te amo! Beijos

    ResponderExcluir
  3. E tomara que dure mesmo não é, que dure muito, são tão poucos os instantes em que confiamos em nós, mas são singulares e lindos.
    O texto é ótimo e é verdadeiro, e é assim mesmo que acontece!

    ResponderExcluir
  4. É tipo o cabelo: se não fosse meu, eu não seria tão eu. Se a minha vida não fosse minha, quem eu seria hoje?

    Com sorte, essa loira linda e talentosa, de sorriso doce e corpo PERFEITO (#projetoanalu), cheia de textos lindos e carinho. Pode ser?

    Passando aqui no comecinho do expediente, pra ver se o dia corre mais leve, amiga!

    Beijo!

    ResponderExcluir
  5. "Porque hoje eu confio em mim. Eu amo a minha vida, sustento as minhas escolhas, acredito no meu taco e coloco a cabeça no travesseiro pra dormir sem peso e com poesia.": THIS!
    Fiquei muito feliz ao ler esse texto, Analu. Aceitar que a nossa vida é maravilhosa pelo simples fato de ser nossa vida já é um passo importante para ser plenamente feliz mesmo com as folhinhas secas, formiguinhas e arainhas.
    Super beijo! <3

    ResponderExcluir
  6. Ai, Analu, nunca parei pra comentar aqui, mas hoje é necessário. Só queria dizer que esse post é provavelmente um dos meus favoritos do ano. Você tá certa, a gente vive se comparando com os outros. Fulana é tão bonita, beltrana é tão gentil. Mas nunca ninguém para pra pensar que alguém é muito mais que bonito ou gentil. Todo mundo tem problemas e defeitos, mesmo que as vezes não deixemos que os outros percebam.
    Curti demais esse post!
    beijos

    ResponderExcluir
  7. Você sendo você, me faz ser tão eu! Que texto INCRÍVEL!

    ResponderExcluir
  8. Escrevi sobre algo parecido um dia desses no meu blog.
    Acho que ser nós mesmos dá trabalho, mas é muito mais gostoso! :)

    Tudo o que vem fácil não traz o sabor da conquista!

    Um beijo,

    http://algumasobservacoes.blogspot.com/
    http://escritoshumanos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Analú minha amada eu ainda não tinha visto seu blog nessa nova roupagem e eu AMEI! De verdade! Eu já gostava do outro mas acho que esse deu uma amadurecida, um ar de moça menina e não o contrário. Juro, tô fã!
    rs

    E pra variar eu amei o seu texto. Não ando na melhor fase da minha vida mas sou super orgulhosa de mim e do caminho que tomei. Pelo menos hoje rs.

    Beijoca

    ResponderExcluir
  10. Triste saber que não durou até amanhã a felicidade, mas essa é a graça dela, ela é efêmera e tão linda, leve e brilhante enquanto dura que mesmo que rápida vale mais que 100 anos de tristeza. Sei que, no fim, você está certíssima nesse texto e deveria levá-lo mais seriamente para a tua vida, viu?
    Te amo!
    (me blog tá atualizado tã dã passa láaa tã dã)

    ResponderExcluir
  11. Isso aí, Aninha ;)
    Gostei do texto!
    Bj

    ResponderExcluir
  12. Fernando Figueiredo1:36 AM, dezembro 15, 2012

    Também não trocaria minha vida com a de ninguém. Dependendo de quem eu escolhesse, fazer isso seria uma baita sacanagem com a outra pessoa.

    ResponderExcluir
  13. Só queria dizer que deve ter muita gente que queria ser tu!

    É muito bom quando paramos e percebemos que ser nós mesmo é melhor! :)
    Beijo <3

    ResponderExcluir
  14. Aí você fala da Emma e eu me perco completamente pensando que eu estou vivendo no mesmo mundo que ela e, talvez, respirando o mesmo ar que ela já respirou...

    Aham, sei, a tá que você só quer ser a Emma Watson porque ela fez Harry Potter, não porque ela é perfeita, sem um mísero defeito, se veste melhor do que as modelos da Caras e ainda por cima já abraçou o Tom Felton. E o Rupert Grint.

    Mas você tem razão. E eu estou começando a perceber que a gente (ou sou só eu, não sei) se recusa a ver os defeitos da grama verde do vizinho simplesmente porque quer que ela seja perfeita. Pra poder ficar apontando e desejando. Qual a dificuldade de aceitar a nossa grama mal-aparada, cheia de minhocas e cocô de inseto, afinal?

    ResponderExcluir
  15. Quando eu era pequena eu gostava de brincar de ser outra pessoa. Era uma maluquice, sei lá como eu fazia isso, mas eu ficava pensando o tempo inteiro sobre como seria uma pessoa, criava um personagem, sabe? Uma personagem que tinha um quarto mais bonito, um monte de amigos estilo elenco de The O.C. e um guarda-roupa dos sonhos.
    Senti que cresci quando não via mais graça em brincar disso, e a vida da minha personagem ia ficando cada vez mais parecida com a minha. Não que ela seja perfeita e coisa e tal, ou que eu recusaria ser a Emma Watson (HAHAHAHA), mas né.

    Promete que nunca vai deixar de ser você? Porque eu te amo tanto assim <3 hihi

    ResponderExcluir